ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL

 

AONDE VAIS? POESIA. ADAIL MADURO FILHO

   

ADAIL MADURO FILHO


   

Aonde vais,
Gigante pela própria natureza?
Hospedeiro do desatino
Retrato da incerteza?

Roubam-te as vestes,
Sugam-te o sangue verde e amarelo...
Até quando?
Até quando será permitido
Que emudeçam teus cantos e encantos?
Pois se é pálido susurro
a voz desse teu povo
Triste é o langor
do Uapixana, Macuxi, Atroari
e tantas outras raças
que vieram a sucumbir.

Aonde vais,
Impávido colosso?
Transportando há tantas décadas
às plagas de Norte América.
Rico solo, densa floresta
Vai morrendo pouco a pouco
E bem pouco é o que nos resta.

Teu sorriso que espalhava tua grandeza,
hoje só lágrima do medo
da vergonha e da incerteza.
Calvário penoso
Fruto da ignorância,
do descaso, do desmando e da ganância
Aberração patente de quem ergue
Outra bandeira.

Triste sina do que fomos,
do que somos.
Sub Mundo, Terceiro Mundo...
Aceitas sinonímias as mais pejorativas
E estás sempre parindo
Parindo filhos pros outros
Como se fosses filho da outra.

E assim serás
até que morras pequenino
Pois do teu povo heróico
o brado é retardante
Não ressoa e morre na garganta
Como pássaro engaiolado
de tão triste já não canta.

Aonde vais,
Gentil Pátria amada?
Sepultar teus heróis
que morrem antes de nascer?
Pois no ventre desnutrido
da mãe solteira
é inglória a luta para sobreviver
e é selado o destino do embrião:
Se acaso nasceres
Vai ganhar teu pão
roubando e matando
de armas na mão.

Aonde vais,
Pátria amada, idolatrada?
Se são bastardos
os filhos deste solo
do qual és mãe.

Aonde vais?
Se o sol da liberdade
Já nem raios tem
Se é isso,
que para os grupos dominantes
e de elite
é o que convém,
Aonde vais?
Com este triste e vergonhoso perfil
ó gentil, Pátria Amada
Brasil?



 

*Adail Maduro Filho - Escritor. Psicopedagogo. Membro da Academia de Letras do Brasil. Poeta "crítico existencial contemporâneo". Suas poesias sob temas sociais e humanos enfocam sobretudo distorsões e aberrações entre o real e o simbólico que se quer apregoar como verdadeiro. Na atualidade, em nosso juízo, um dos maiores poetas "crítico-existencialistas" em nosso País. A poesia supra tem sido adotada por diversos segmentos supra-partidários e mesmo por correntes crítico partidárias, não só no Brasil, como em outros países da América do Sul. Adail Maduro Filho é formado em Educação Física, contando com especialização em Psicopedagogia. "É simplesmente grandiosa a expressão poética de Maduro Filho (Mário Carabajal). Ouso-me a uma pequena reflexão em conquinuidade da bela poesia político-crítica desse raro poeta.

Onde vais Florão da América?
Se te identificas com ditadores
E não condenas teus usurpadores
Tua Cultura e Consciência
Resume-se ao futebol, novela e carnaval,
E bem pouco à Ciência

Sem livros e jornais
Críticas e Ideais
És presa fácil, subjugada, sensurada
Onde somente egressos
Visando Progressos Pessoais
Falam de Ordem
Como se fossemos animais
Acomodados sim,
Mas não irracionais
(Carabajal) .