Academia de Letras do Brasil - Seccional DF
Caixa Postal 2343 CEP 70343-970 Brasília - Distrito federal
academia_alb_df@terra.com.br


Ano velho, ano Novo
Vânia Moreira Diniz


Mensagem 2010- 2011

Não senti a pressa com que o ano velho passou, tantas e tão grandes foram os acontecimentos pessoais, contrastantes na sua maioria, entre alegres e alguns cheios de dor.

Ele caminhou sem ao menos perguntar se estava tudo bem, sorrindo entre os intervalos dos dias, entregando-me o que me competia e não perguntando pela minha reação. E eu continuei a contemplá-lo, esperançosa a agradecer a profundidade de sentimentos que fizeram do meu ano algo por vezes tão maravilhoso, que o marcava com o regozijo dos grandes acontecimentos. E de repente vinha a borrasca derrubando as estruturas fazendo com que sonhasse outros períodos, imaginando-me longe daquele ano que começava a carregar o peso dos dias inexoráveis.

Realizações profissionais, reconhecimentos que me deixaram em lágrimas, as maiores de todos os tempos, que tornou esse espaço intenso e profundamente emotivo , conhecimento entre textos em prosa e verso, a nossa literatura e a presença de sonhos e ideais.

Ano de profundo amor, que me deixou atônita. Sem sentir a passagem do tempo indelével e constante, eu abençoava esse ano que me fez conhecer pessoas, colegas e amigos maravilhosos, imergir nas reflexões mais profundas, esperar encantada todas as manifestações de vida, lirismo, aturdida entre as batidas de meu próprio coração.

Perdi, entretanto pessoas tão queridas, que se foram para o espaço desconhecido, deixando meu coração transido de insofismável saudade e aflição.Dividido entre ternuras e dureza, o velho 2010 me fez ver o quanto de fortaleza precisávamos para trilhar junto com ele seus passos.Eram inesperadas suas decisões.E sempre

Soubemos de crimes hediondos, gestos generosos, a vida célere, as conversas habituais e a presença da generosidade e também da indiferença. Vimos aturdidos crianças e adultos passarem fome e a riqueza que rondava os privilegiados.

Surge o novo ano , tão jovem e sem experiência amparando o velho que já sai aos poucos arrependido de certos atos e glorioso de outras atitudes. Ele se vai sem a postura do início, sem a segurança com que entrou, ostentando entre as rugas as dúvidas do que poderia ter feito de melhor, recordando as lágrimas de alguns e exultando pelos risos de alegria.

Contemplando o novo ano, cuja auréola de luz e esperança bendiz, espera silenciosamente que esse mês finde e que possa descansar não sei se em paz, mas desejando que seu jovem substituto consiga concretizar os sonhos em que fracassou entre os acontecimentos confusos do ano que está se esvaindo.

Entrevejo a luz que se aproxima trazendo o ano de 2011, a certeza que deixa à sua volta, os sorrisos de pura alegria, e a convicção do que pretende fazer.

Eles se encontram na linha que separa os dois espaços de tempo e se apertam as mãos, um exaurido, já sem forças e o outro imponente, magnífico, a juventude a brilhar na figura ereta e desenvolta, como imaginando a glória e os ideais de todos os seus futuros súditos concentrados no seu belo rosto e no olhar cujo brilho se reflete no planeta sempre à procura da esperança, felicidade e amor.

Ano velho, ano Novo, que fazem nesse momento parte de nossas vidas e a quem dirigimos nossos pedidos e expectativas.O caminho está aí, houve luz e escuridão, fatos positivos e negativos, eleições que deixaram o povo alegre ou triste, o que realmente deve importar agora é a competência com que executarão os mandatos.

Finda 2010. Surgirá aos poucos o ano de 2011 e consigo enxergar uma claridade meteórica, límpida, como feixes de luz e mesmo assim vou caminhando em sua direção sem saber o que será amanhã quando meia-noite surgir. Estarei aqui?

O tempo, as certezas, os sonhos responderão a essa pergunta que deixa célere o coração.
E diante de vocês, nossos leitores e amigos que nos prestigiaram, estimularam e ouviram, sinto a explosão sensível de sentimentos que me perguntam o que é o futuro. Não sabemos a resposta, porém é algo vasto e indefinido como o próprio espírito quando procura a paz ou se atormente pela angústia. É o sonho, talvez adormecido e que vai acordando aos poucos tão devagarzinho como os segundos , tão rápido como o pensamento em caminhada.

Desejo a meus colaboradores, colegas, amigos e a todos, saúde, paz e sucesso, meu terno agradecimento e aos que me lêem nesse instante um feliz ano novo, esperançoso, cheio de júbilo e certezas nos 365 dias que transcorrerão. Obrigada por tudo.
Meu carinho especial.


Vânia Moreira Diniz